Artur Padua | Lançamento do disco “Campo Aberto”

Detalhes

19:00
18/05/2018
Auditório Radamés Gnattali

Do alto de Santa Teresa, no Rio de Janeiro, de onde se avista o centro histórico e a Baía de Guanabara, nasceu, da voz de Artur Padua e dos arranjos de João Camarero, “Campo Aberto”, álbum de estreia do cantor mineiro, com composições inéditas de Paulo César Pinheiro. Foi no estúdio Tenda da Raposa – que já abrigou registros de artistas como Yamandú Costa e Hermeto Pascoal – que Artur se juntou ao Regional Imperial e formou um seleto time de músicos para gravar as 13 faixas que compõem o disco. Dentre sambas já renomados, como “Pra machucar meu coração” (Ary Barroso) e “Amei Tanto” (Baden e Vinícius), e composições de Paulinho da Viola, Raphael Rabello, Pixinguinha e Zé da Zilda, “Campo Aberto” ainda abre espaço para quatro músicas inéditas de João Camarero com letra de Paulo César Pinheiro. Muito além do canto, aos 25 anos Artur já carrega extensa bagagem musical como violonista. Acompanhou grandes nomes da música popular brasileira como Cristóvão Bastos, Hamilton de Holanda, Roberto Silva, Zé da Velha, Silvério Pontes e Monarco, entre outros. Em 2010, ingressou na Escola Portátil de Música, no Rio de Janeiro, onde foi aluno do renomado violonista Maurício Carrilho. Nasceu daí uma amizade que foi além da relação entre mestre e aprendiz, e virou participação especial na última faixa do disco, “Quando a saudade apertar”, de Jaime Florence e Leonel Azevedo.Já João Camarero aparec como violonista em 12 faixas, diretor e co-produtor musical, além de criador dos arranjos que contribuíram para a heterogeneidade da formação instrumental de cada faixa. Com cinco composições presentes no disco, o grande letrista Paulo Cesar Pinheiro destaca a relevância de Campo Aberto: “dos últimos discos, dos últimos anos, o de Artur Padua é o único que escuto de ponta a ponta, sem pular nenhuma faixa. Só faço isso quando gosto muito”.


Compre seu ingresso aqui!


Mídias:

 

curta nossa página

Parceiros:
EPM